Curso de Capacitação para gestores de bens culturais

Inscrições abertas até 24 de julho para a Chamada Pública do Curso de Capacitação para gestores de bens culturais, promovido pelo IphanGovBr e pelo Centro Lucio Costa.

O curso é destinado aos profissionais de instituições públicas, responsáveis por políticas e/ou ações de preservação e/ou de gestão de bens culturais, e também funcionários ou representantes de instituições privadas, sem fins lucrativos, que atuem na área do Patrimônio Cultural. E, ainda, pesquisadores de universidades interessados no tema, nos países falantes das línguas portuguesa e espanhola da América do Sul e de língua portuguesa da África e Ásia.

Saiba mais em http://bit.ly/1XRBdyl

 

ACERVO DIGITAL DO INSTITUTO TOM JOBIM

O Instituto Tom Jobim disponibilizou diversas obras e documentos do acervo pessoal de Chico Buarque. São quase 8.000 letras de músicas e partituras, além de textos, imagens e arquivos vídeos e músicas. O conteúdo pode ser acessado no site do instituto.

O Instituto Tom Jobim também disponibiliza documentos do acervo de Tom Jobim, Milton Nascimento, Dorival Caymmi, Gilberto Gil, Lucio Costa e Paulo Moura.

Captura de Tela 2016-06-13 às 16.43.15

Confira: http://portal.jobim.org/pt/acervos-digitais/

 

REDE DE ARQUIVOS IPHAN

Foi lançado, no dia 5 de maio de 2016, o portal REDE DE ARQUIVOS IPHAN.  O projeto, apoiado pelo BNDES, utiliza a Plataforma Papaya, um sistema integrado de aplicativos e recomendações desenvolvido pela equipe do Knoma, Laboratório de Engenharia do Conhecimento da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

acervo iphan

http://acervodigital.iphan.gov.br/

Acervos de quatro centros históricos e processos de tombamento de bens culturais de todo o País

“Com o objetivo de integrar e conferir publicidade ao acervo de documentos acumulados em oito décadas de política de proteção ao patrimônio cultural, foi criada a Rede de Arquivos Iphan, um repositório online de arquivos digitalizados que permite buscas a partir de diversos parâmetros (nome do bem, localidade, tipo de documento). A ferramenta facilitará o acesso a essa documentação a pesquisadores, estudantes, jornalistas e outros interessados no tema, contribuindo para enriquecer a produção de conhecimentos sobre o assunto e conferindo ainda mais transparência à ação do Estado.

Inicialmente estão acessíveis acervos de quatro centros históricos e processos de tombamento de bens culturais de todo o País, digitalizados pelo Arquivo Central do Iphan, no Rio de Janeiro (RJ). Nas próximas etapas do projeto, serão incluídos os conteúdos produzidos pelas demais unidades, assim como o restante dos processos de tombamento, que estão sendo tratados, indexados e digitalizados para inserção na plataforma.

A Rede Arquivos Iphan foi selecionada na Chamada Pública de Seleção para Apoio a Projetos de Preservação de Acervos – Ano 2010, promovida pelo BNDES, e seu desenvolvimento teve início em agosto de 2013″.  [texto no site do IPHAN].

Memória da Escola Politécnica da USP

Foi lançado o site Memória da Escola Politécnica da USP, que tem como objetivo promover o acesso, por meio digital, e facilitar a difusão dos registros relevantes para o resgate da trajetória institucional da Poli-USP, além de contribuir para a preservação dos documentos históricos. São mais de 2000 documentos, como atas, anuários, relatórios, além da Revista Politécnica.

O site utiliza a Plataforma Papaya, um sistema integrado de aplicativos e recomendações desenvolvido pela equipe multidisciplinar do Laboratório Knoma (Escola Politécnica da USP). Trata-se de uma solução em código aberto, feita para sustentar a implantação e gerenciamento de bibliotecas (repositórios) digitais — que inclui procedimentos para digitalização, preparação e publicação de objetos digitais de acordo com padrões de interoperabilidade.

No dia 3 de março, o projeto foi notícia no jornal O Estado de São Paulo.

Confira o site do Projeto.

 

 

Memoria Chilena

Memoria Chilena é uma plataforma digital que oferece acesso a coleções da Biblioteca Nacional do Chile e de outros acervos de instituições memoriais chilenas. O site foi lançado em 2003 e contém reproduções de livros, revistas, manuscritos, fotografias, autos e vídeos.

Além de oferece acesso a este importante material, o projeto Memoria Chilena destaca-se pela proposta de curadoria digital. Páginas (“ministros”) apresentam personagens, obras ou processos relevantes para a cultura chilena.

Visite o site da Memoria Chilena.

 

Cinemateca Popular Brasileira

“A Cinemateca Popular Brasileira, organizada pelo Armazém Memória a partir de filmes publicados no Youtube, tem por fonte de pesquisa o Dicionário de Filmes Brasileiros de Antônio Leão da Silva Neto (1908-2002) e os catálogos da ANCINE (2002-2013). Disponibiliza à consulta filmografias de diretores e diretoras, bem como a cronologia dos filmes nacionais por ano de lançamento nos cinemas ou festivais, que podem ser consultados por gênero, direção e ano, além das mostras e coletâneas. A difusão e acesso à produção cultural e cinematográfica brasileira é fundamental para o avanço de nossa sociedade nas áreas de educação e direitos humanos.

Na Cinemateca Popular Brasileira estão reunidos 1.440 filmes nacionais dispersos em centenas de canais de usuários do Youtube, compondo 390 playlists. Uma vez por ano atualizamos o catálogo, mediante manutenção de links quebrados e varredura no Youtube, para inclusão de vídeos ainda não catalogados no Canal. Com a atualização de 2015 superamos 30% do conteúdo produzido em mais de 100 anos de cinema nacional. A última manutenção de playlists e atualização de catálogo foi realizada entre 21/12/2015 e 17/01/2015. No canal estão publicados 18 filmes de 409 que se encontram em domínio público, os demais são agregados aos catálogos de canais de terceiros disponíveis na rede”.

Texto do site Armazém da Memória: http://armazemmemoria.com.br/cinemateca-popular-brasileira/

 

Direito Autoral & Marco Civil da Internet – Para baixar!

A obra coletiva organizada por Marcos Wachowicz, Direito Autoral & Marco Civil da Internet, está disponível para download.

1935636_10154002057394560_5194335680905851510_n

A obra traz artigos de Maria Victória Rocha, Thiago Marinelli Veiga, Tiago Mendonça dos Santos, Liz Beatriz Sass, Guilheme Coutinho da Silva, Luca Schirru, Marcelo de Athayde Furtado Krieger, Alexandre Ricardo Pesserl, Sarah Helena Linke, Marcos Wachowicz, Lukas Ruthes Gonçalves e Patricia Eliane da Rosa Sadeto.

A obra é resultado do trabalho dos pesquisadores do Grupo de Estudos de Direito Autoral e Industrial (GEDAI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) em parceria com outros  grupos de pesquisas.

Baixe no site do GEDAI:
http://www.gedai.com.br/?q=pt-br%2Fcontent%2Fdireito-autoral-marco-civil-da-internet

A presente obra propicia uma reflexão sobre temas transversais que estão subjacentes ao Marco Civil da Internet no Brasil, tais como:

• O direito à (auto)regulação da internet
• O direito de utilização livre e os dispositivos de proteção
• A reprodução no ambiente digital
• Um novo conceito de autoria para internet
• O caso do Google Art Project
• Os aspectos jurídicos no software na internet
• O Sistema Peer-to-Peer e os limites dos usos privados

PARA BAIXAR ACESSE O SITE:
http://www.gedai.com.br/?q=pt-br%2Fcontent%2Fdireito-autoral-marco-civil-da-internet

Escravidão, Abolição e Pós-Abolição

A Fundação Casa de Rui Barbosa lançou o site Escravidão, Abolição e Pós-Abolição, para oferecer o acesso a documentos digitalizados, referências e links para sites sobre o assunto, além de um vocabulário sobre o tema. O site da FCRB possui um espaço interativo, onde o usuário pode participar de jogos organizados a partir de cópias dos documentos.

Na “estante virtual”, o usuário tem aceso a livros, revistas, artigos e referências de materiais sobre os temas Escravidão, Abolição e Pós-Abolição.

12494882_793250610780205_5731279615515436754_n-1

Não deixe de visitar: http://bit.ly/1RZ09kn

 

Iphan abre inscrições para o Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural

“Os interessados em participar da seleção das 20 bolsas do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (PEP/MP/Iphan) poderão se inscrever até o dia 01 de março de 2016.

O Mestrado Profissional destina-se a formar, durante 24 meses, profissionais graduados em diversas áreas de conhecimento para atuarem no campo da preservação do patrimônio cultural. O curso associa as práticas de preservação nas unidades da Instituição, distribuídas no território nacional, ao aprendizado teórico-metodológico e à pesquisa.

O início das atividades será dia 01 de agosto de 2016, conforme determinações do edital”.

12552530_794888647283068_391469227671990855_n

Confira o Edital no site do Iphan.

Mais informações:
E-mailmestrado.pep@iphan.gov.br

Livro de Antonil da Biblioteca Nacional recebe selo Memória do Mundo

“O livro Cultura e Opulência do Brasil, publicado em 1711 por um jesuíta sob o pseudônimo André João Antonil, é a primeira obra impressa do acervo de Obras Raras da Biblioteca Nacional (BN) a receber o registro do programa Memória do Mundo – Brasil, da Unesco.
A candidatura, submetida para análise do comitê nacional do programa Memória do Mundo em julho deste ano, foi fundamentada em aspectos relativos à importância da obra e à qualidade do exemplar do acervo da BN. “Conseguir o registro para uma publicação impressa é difícil, porque concorremos com manuscritos e outros documentos que constituem exemplares únicos”, explica Ana Virginia Pinheiro, chefe do acervo de Obras Raras. No caso deste livro, ela conta que existem apenas sete peças conhecidas no mundo, pois logo após sua publicação, no início do século XVIII, a edição foi proibida e a tiragem, destruída. Isso porque a Coroa Portuguesa considerou inoportuna a disseminação de informações estratégicas sobre as riquezas do Brasil, incluindo dados sobre os engenhos de açúcar, tabaco e gado, bem como a localização das minas de ouro e prata. “Só se salvaram os exemplares que tinham sido doados antes da proibição, e poucos se preservaram até hoje”, diz.
A peça que consta no arquivo da BN é um item de cofre, que foi microfilmado e digitalizado para facilitar a consulta pelos usuários. O original entrou no acervo em 1911, e sua origem, que pode ser traçada com segurança, foi documentada no pedido de registro encaminhado ao comitê da Unesco. Depois de pertencer a diversos colecionadores que a negociaram ou doaram, a peça acabou sendo incorporada à biblioteca de José Carlos Rodrigues, que foi adquirida por Julio Benedicto Ottoni e doada à BN.
A justificativa apresentada para o comitê do programa Memória do Mundo inclui, também, pareceres de quatro especialistas sobre a peça: o bibliófilo Hariberto de Miranda Jordão Filho, o pesquisador da USP Pedro Puntoni, o professor da Universidade Federal de Goiás Raimundo Agnelo Soares Pessoa e a professora aposentada da Universidade de Sorbonne, Andrée Mansuy-Diniz Silva, a maior autoridade mundial na obra de Antonil. O exemplar da BN é considerado um cimélio (peça extremamente rara).

Sobre a obra.
Cultura e Opulência do Brasil, de André João Antonil, pseudônimo do jesuíta italiano João Antônio Adreoni, foi publicado em 1711, sendo recolhido por ordem de D. João V por ser considerado inconveniente para a Coroa Portuguesa. O livro reúne, em quatro partes, informações sobre as principais atividades econômicas da colônia (cana-de-açúcar, tabaco, mineração e pecuária), e por isso é considerada a obra fundadora do estudo da economia brasileira. Além disso, é um retrato detalhado dos hábitos e costumes da população da época, contando inclusive com uma recomendação do autor sobre o tratamento das pessoas escravizadas: os senhores de engenho deveriam adotar aquela que ficou conhecida como a “política dos três P” (pão, pano e pau). O conteúdo do livro possibilita estudos sobre escravidão, relações familiares, questões de gênero e muitos outros temas relacionados à vida no Brasil Colônia.

Consulte “Cultura e Opulência no Brasil” na BN Digital.

Sobre o Programa Memória do Mundo
A Unesco criou o programa Memória do Mundo em 1992, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a importância de se preservar e dar acesso ao patrimônio documental da humanidade. O registro para integrar o programa pode ser concedido em âmbito nacional, regional ou internacional. Anualmente, um comitê composto por notáveis em suas áreas de competência seleciona até dez peças para compor o acervo de obras inscritas no programa”.

[texto do site da Biblioteca Nacional | terça-feira, 17 de novembro de 2015]. veja: Obra fundadora da economia brasileira recebe o selo Memória do Mundo – Brasil | Biblioteca Nacional

Rede Memorial