Escravidão, Abolição e Pós-Abolição

A Fundação Casa de Rui Barbosa lançou o site Escravidão, Abolição e Pós-Abolição, para oferecer o acesso a documentos digitalizados, referências e links para sites sobre o assunto, além de um vocabulário sobre o tema. O site da FCRB possui um espaço interativo, onde o usuário pode participar de jogos organizados a partir de cópias dos documentos.

Na “estante virtual”, o usuário tem aceso a livros, revistas, artigos e referências de materiais sobre os temas Escravidão, Abolição e Pós-Abolição.

12494882_793250610780205_5731279615515436754_n-1

Não deixe de visitar: http://bit.ly/1RZ09kn

 

Iphan abre inscrições para o Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural

“Os interessados em participar da seleção das 20 bolsas do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (PEP/MP/Iphan) poderão se inscrever até o dia 01 de março de 2016.

O Mestrado Profissional destina-se a formar, durante 24 meses, profissionais graduados em diversas áreas de conhecimento para atuarem no campo da preservação do patrimônio cultural. O curso associa as práticas de preservação nas unidades da Instituição, distribuídas no território nacional, ao aprendizado teórico-metodológico e à pesquisa.

O início das atividades será dia 01 de agosto de 2016, conforme determinações do edital”.

12552530_794888647283068_391469227671990855_n

Confira o Edital no site do Iphan.

Mais informações:
E-mailmestrado.pep@iphan.gov.br

Livro de Antonil da Biblioteca Nacional recebe selo Memória do Mundo

“O livro Cultura e Opulência do Brasil, publicado em 1711 por um jesuíta sob o pseudônimo André João Antonil, é a primeira obra impressa do acervo de Obras Raras da Biblioteca Nacional (BN) a receber o registro do programa Memória do Mundo – Brasil, da Unesco.
A candidatura, submetida para análise do comitê nacional do programa Memória do Mundo em julho deste ano, foi fundamentada em aspectos relativos à importância da obra e à qualidade do exemplar do acervo da BN. “Conseguir o registro para uma publicação impressa é difícil, porque concorremos com manuscritos e outros documentos que constituem exemplares únicos”, explica Ana Virginia Pinheiro, chefe do acervo de Obras Raras. No caso deste livro, ela conta que existem apenas sete peças conhecidas no mundo, pois logo após sua publicação, no início do século XVIII, a edição foi proibida e a tiragem, destruída. Isso porque a Coroa Portuguesa considerou inoportuna a disseminação de informações estratégicas sobre as riquezas do Brasil, incluindo dados sobre os engenhos de açúcar, tabaco e gado, bem como a localização das minas de ouro e prata. “Só se salvaram os exemplares que tinham sido doados antes da proibição, e poucos se preservaram até hoje”, diz.
A peça que consta no arquivo da BN é um item de cofre, que foi microfilmado e digitalizado para facilitar a consulta pelos usuários. O original entrou no acervo em 1911, e sua origem, que pode ser traçada com segurança, foi documentada no pedido de registro encaminhado ao comitê da Unesco. Depois de pertencer a diversos colecionadores que a negociaram ou doaram, a peça acabou sendo incorporada à biblioteca de José Carlos Rodrigues, que foi adquirida por Julio Benedicto Ottoni e doada à BN.
A justificativa apresentada para o comitê do programa Memória do Mundo inclui, também, pareceres de quatro especialistas sobre a peça: o bibliófilo Hariberto de Miranda Jordão Filho, o pesquisador da USP Pedro Puntoni, o professor da Universidade Federal de Goiás Raimundo Agnelo Soares Pessoa e a professora aposentada da Universidade de Sorbonne, Andrée Mansuy-Diniz Silva, a maior autoridade mundial na obra de Antonil. O exemplar da BN é considerado um cimélio (peça extremamente rara).

Sobre a obra.
Cultura e Opulência do Brasil, de André João Antonil, pseudônimo do jesuíta italiano João Antônio Adreoni, foi publicado em 1711, sendo recolhido por ordem de D. João V por ser considerado inconveniente para a Coroa Portuguesa. O livro reúne, em quatro partes, informações sobre as principais atividades econômicas da colônia (cana-de-açúcar, tabaco, mineração e pecuária), e por isso é considerada a obra fundadora do estudo da economia brasileira. Além disso, é um retrato detalhado dos hábitos e costumes da população da época, contando inclusive com uma recomendação do autor sobre o tratamento das pessoas escravizadas: os senhores de engenho deveriam adotar aquela que ficou conhecida como a “política dos três P” (pão, pano e pau). O conteúdo do livro possibilita estudos sobre escravidão, relações familiares, questões de gênero e muitos outros temas relacionados à vida no Brasil Colônia.

Consulte “Cultura e Opulência no Brasil” na BN Digital.

Sobre o Programa Memória do Mundo
A Unesco criou o programa Memória do Mundo em 1992, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a importância de se preservar e dar acesso ao patrimônio documental da humanidade. O registro para integrar o programa pode ser concedido em âmbito nacional, regional ou internacional. Anualmente, um comitê composto por notáveis em suas áreas de competência seleciona até dez peças para compor o acervo de obras inscritas no programa”.

[texto do site da Biblioteca Nacional | terça-feira, 17 de novembro de 2015]. veja: Obra fundadora da economia brasileira recebe o selo Memória do Mundo – Brasil | Biblioteca Nacional

Biblioteca Digital do Instituto Butantan

Visite a Biblioteca Digital do Instituto Butantan.

O Instituto, criado em 1901, além de ser o “principal produtor de imunobiológicos do Brasil, responsável por grande porcentagem da produção nacional de soros hiperimunes e grande volume da produção nacional de antígenos vacinais”, também preserva coleções científicas zoológicas e desenvolve atividades educacionais e culturais por meio de quatro museus:  Museu Biológico, Museu Histórico, Museu de Microbiologia e o Museu de Saúde Pública Emílio Ribas.

Parte do seu acervo está sendo digitalizada e pode ser consultada livremente. O Instituto Butanta é signatário da Carta do Recife e aderiu aos princípios da Rede Memorial.

No site da Biblioteca Digital é possível consultar obras digitalizadas de três importantes coleções:

1. Coleção especial de publicações do cientista Vital Brazil
2. Cadernos de História da Ciência
3. Memórias do Instituto Butantan

Veja o site da Biblioteca Digital do Insituto Butantan clicando aqui.

Memoria Chilena

Memoria Chilena é uma plataforma digital que oferece acesso a coleções da Biblioteca Nacional do Chile e de outros acervos de instituições memoriais chilenas. O site foi lançado em 2003 e contém reproduções de livros, revistas, manuscritos, fotografias, autos e vídeos.

Além de oferece acesso a este importante material, o projeto Memoria Chilena destaca-se pela proposta de curadoria digital. Páginas (“ministros”) apresentam personagens, obras ou processos relevantes para a cultura chilena.

Visite o site da Memoria Chilena.

 

Conheça o DIY [Do-It-Yourself] Book Scanning

index_17

“Do-It-Yourself Book Scanning is using cheap, compact cameras and Free software to scan books quickly and efficiently. DIY Book Scanners can be as simple as a camera and a piece of glass [PDF] or as involved as the Instructable that brought our community together [PDF / Vimeo]. We’ve come a long way since then. We have GPL-licensed laser cut designsaluminum designs, and detailed instructions for beginners. We even have Official Kits available in the United States and across the European Union. We have built hundreds of scanners and freely shared thousands of design improvements. We are the most open, sharing, and productive scanner building community on the ‘net, and we’re looking forward to meeting you in the Hello Thread, where our members tell their stories and reasons for getting involved.”

https://vimeo.com/29184137

Veja mais: DIY Book Scanning

Músicas dos Povos – Instituto Socioambiental (ISA)

Ouça as canções indígenas no programa “Músicas dos Povos”, criado e produzido pelo Instituto Socioambiental (ISA) para a Semana do Índio 2014. Segundo o ISA, “este termo foi criado pelos índios do Alto Rio Negro (AM) para explicar o uso de ritmos não tradicionais indígenas, como forró, brega e o rap, em suas composições”.

Veja a lista das músicas, imagens das gravações e vídeo do Festival Indígena do Rio Negro no Especial Semana do Índio no site do ISA.

Veja também a notícia no site do Amazonia Real.

Simpósio “Movilidad digital de objetos” no Ibero-Amerikanisches Institut

Movilidad digital de objetos. Tecnologías recientes e intercambio transatlántico de conocimientos

O Simpósio Movilidad digital de objetos aconteceu entre os dias 27 e 28 de novembro de 2015, no Instituto Ibero-Americano (IAI) em Berlim. Reuniram-se diversos especialistas da América Latina e da Alemanha para refletir como a transformação digital, com a nova tecnologia de mobilização de objetos e conhecimentos (livros, revistas, cartazes… etc.), tem “modificado substancialmente a relação dos gestores dos objetos (bibliotecários, arquivistas, curadores etc.) e os cientistas”. Sendo assim, as novas tecnologias tem feito os “arquivos de conhecimento, como as bibliotecas, mais permeáveis, modificando as práticas e os formatos da cooperação internacional”.

O Núcleo de Cultura Digital do Cebrap participou do Simpósio, com uma apresentação sobre a Rede Memorial.

O Simpósio foi dividido em três painéis:

Painel 1: Procesos de digitalización y cooperación internacional

Dr. Barbara Göbel (IAI), Prof. Dr. Alexis de Greiff (Biblioteca Luís Ángel Arango, Bogotá), Dr. Christoph Müller (IAI), Prof. Dr. Pedro  Puntoni (Cebrap, São Paulo), Anna Weymann (IAI)

Painel 2: Movilización y movilidad de objetos híbridos

Dr. Gloria Chicote (Conicet, Universidad Nacional de La Plata), Dr. Mariana Masera Ceruti (UNAM, Morelia), Dr. Ricarda Musser (IAI), Daniela Schütte González (Biblioteca Nacional de Chile, Santiago)

Painel 3: Movilidad de objetos visuales antes y después de la digitalización

Soledad Abarca de la Fuente (Biblioteca Nacional de Chile, Santiago), Prof. Dr. Gisela Cánepa Koch (PUCP, Lima), Dr. Iken Paap (IAI), Dr. Gregor Wolff (IAI)

Veja o programa do evento no site do IAI: clique aqui.

MinC lança edital para digitalizar acervos sobre povos originários

No site do MinC no dia 28.10.2015
“Desta quarta-feira (28) até 10 de janeiro de 2016, pesquisadores envolvidos em projetos que têm como foco as culturas indígenas brasileiras poderão concorrer a até R$ 80 mil para disponilizar acervos na internet. Lançado pela Secretaria de Políticas Culturais (SPC) do Ministério da Cultura (MinC) e pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o edital de pesquisa-ação Povos Originários do Brasil tem por objetivo incentivar e apoiar a coleta, recuperação, conservação e disponibilização via internet, para o acesso público, de acervos de interesse científico e cultural de bens do patrimônio indígena brasileiro.
Poderão participar do edital, que contará com recursos de cerca de R$ 1,4 milhão, provenientes do Fundo Nacional de Cultura (FNC), pesquisadores vinculados a instituições de caráter científico ou tecnológico, públicas ou privadas e sem fins lucrativos.
Os recursos são destinados exclusivamente ao pagamento de bolsas de pesquisa com recursos de auxílio ao pesquisador. Os números de bolsas e categorias dependerão da demanda e da avaliação dos projetos apresentados. As propostas a serem apoiadas deverão ser executadas em um período de até 12 meses.
Histórico
Como parte das políticas adotadas pelo MinC, a SPC lançou, em 2014, também em parceria com a UFPE, as bases para a construção de uma política nacional que contemple a digitalização de acervos da cultura.
O primeiro edital teve como foco a Preservação e Acesso aos Bens do Patrimônio Afro-Brasileiro e recebeu 92 projetos – sendo que 24 deles foram selecionados, cobrindo um amplo espectro de acervos do patrimônio afro-brasileiro para o acesso público em meio digital.
Os projetos selecionados alinham-se a ação desenvolvida pela SPC, em conjunto com a Universidade Federal de Goiás (UFG), para desenvolvimento de solução tecnológica para digitalização dos acervos. A previsão é que, até o final de 2015, esses projetos já estejam no ar para acesso da sociedade.”
Veja o calendário e mais informações no site da UFPEClique aqui
Veja aqui a íntegra do edital: Edital Povos Originários do Brasil

Rede Memorial